Vereador, e servidor da Uniuv, cita perseguição por questionar a instituição de ensino

Facebook
WhatsApp
Email
Twitter

O CJ1 encaminhou um e-mail para o Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv), ainda em 24 de agosto de 2023, pedindo informações sobre o Projeto de nº 31/2023. A proposição visava uma suplementação do valor de R$ 3.426.000,00 para dar cobertura às atuais despesas. Três dias antes, o assunto foi debatido na Câmara, tendo, entre os protagonistas do debate, o vereador Clodoaldo Goetz.

Nesta semana, dia 25 de setembro, Clodoaldo usou a tribuna para citar, supostamente, uma perseguição da Uniuv por conta de seus questionamentos. Em 21 de agosto ele votou contra o parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e da Comissão de Finanças. Na justificativa, o Centro Universitário indicava dificuldades financeiras e, disso, a busca de informações para a compreensão do real estado.

Com base nessa alegação, da dificuldade financeira, o vereador buscou mais informações e verificou que nos últimos 5 anos a Uniuv teve um prejuízo superior a 17 milhões de reais. Gastando mais do que arrecadava. Com base nisso, ele e outros parlamentares pediram mais explicações sobre o real estado econômico da instituição que pertence ao município de União da Vitória.

Ele acredita que por ter puxado a frente, nessa votação, e ser servidor concursado da Uniuv há 12 anos, acabou sendo alvo de um processo administrativo aberto logo em seguida. Dia 25 de agosto, na mesma semana da discussão. Para isso apontando a existência de faltas do funcionário. Na versão de Clodoaldo, visando sua exoneração do cargo. No caso, ele argumenta não estar ministrando aulas por estar sem turmas, nos cursos de Engenharia Civil e Engenharia Ambiental.

“Não tenho aula para qual eu fui concursado. Estou sem aula, mas sempre à disposição da Universidade. Se eu tivesse aula, daria aula.” A abertura do procedimento administrativo disciplinar seria, nesse entendimento, um ato de repúdio pelo posicionamento de Clodoaldo. Até porque na semana seguinte, a instituição fez uma exposição de informações na Câmara e o vereador fez outros questionamentos.

Dentre outras coisas, o parlamentar pediu esclarecimentos sobre alguns pagamentos de mestrados e doutorados, com diárias inclusive. “Por conta disso está tendo essa perseguição”, afirma. O seu entendimento é que nos 12 anos anteriores nunca sofreu nenhum procedimento administrativo e agora, pelo voto contrário e posicionamento, estaria sofrendo com isso. Clodoaldo menciona a redução de acadêmicos ano após ano e consequentemente dificuldade financeira.

Nesse contexto, e diante do problema de ordem econômica, o vereador questionou as ações tomadas para superar a falta de recursos, bem como, para aumentar o número de alunos. Da parte da Uniuv, desde o dia 24 agosto, quando encaminhado o e-mail, não houve nenhum tipo de posicionamento oficial. Ficando em aberto o espaço para esclarecimentos necessários diante do CJ1 e seus leitores, relativos a esse assunto e vereador Clodoaldo.

Da redação com imagem/reprodução Câmara de Vereadores.