Delegada finaliza investigação e ‘evidencia’ morte de Geraldo por adolescente

Facebook
WhatsApp
Email
Twitter

“Ato infracional, análogo ao crime de homicídio”, explica a delegada de Polícia Civil de Mallet, Natália Pereira Nichel. A declaração e citação de parte desse processo, que levou à apreensão do adolescente, ocorreu nesta terça-feira (25/07) para a rádio Studio W e reproduzido em plataformas digitais. Geraldo Stemposki foi encontrado morto no domingo (23/07) à noite e, no dia seguinte, o envolvido apreendido.

Autoria única, envolvido um adolescente. É o que apontou o trabalho da Polícia Civil, passível de ter entendimento diverso por outros entes. No caso, o rito é diferente. Por 45 dias, inicialmente, o menor fica apreendido. “Apreensão provisória”, palavra utilizada pela delegada para definir, até porque menores de idade não são considerados presos e sim há a apreensão e o ato infracional.

Em outras palavras, a linha de investigação foi nesse sentido, de morte provocada pelo adolescente, no caso, negado pelo apreendido. Até por tratar-se de menor de idade, a delegada não entrou em mais detalhes. Inclusive, pontuando apenas o que não infere em todo esse processo, mas esclarecendo para a população a condução desse trabalho.

A Polícia Civil chegou até o suposto envolvido, por meio de técnicas de investigação, e trabalhando com informações para chegar até ele. Por hora, conforme todo o trabalho feito, não há envolvimento de outra pessoa, somente do menor. Isso sustentado em elementos desse trabalho investigativo.

Todas as evidências constam no processo relacionado ao caso, concluído pela Polícia Civil, com destaque da delegada ao trabalho de sua equipe e da Polícia Militar. Esse levantamento segue para o Ministério Público, concluída a investigação e apontando esse envolvimento do adolescente, sem outra pessoa a princípio, na morte de Geraldo.

Da redação com imagem/reprodução da rádio Studio W.